Conecte-se conosco

SAÚDE

Verão amazônico: médica dá dicas de como se proteger e cuidar da saúde

Desidratação e insolação são alguns dos principais problemas causados pelo excesso de exposição ao sol

Publicadas

sobre

Foto: Reprodução | Fonte: NM Comunicação

Julho é o mês das férias escolares e do verão amazônico, estação marcada por viagens, passeios ao ar livre, praia, piscina e muita diversão. Mas o aumento das temperaturas exige cuidados redobrados com a saúde, pois o organismo pode ficar sujeito a muitos riscos, como a desidratação, a insolação, o envelhecimento precoce e o câncer de pele. De acordo com o Ministério da Saúde, a exposição aos raios solares sem proteção por um longo período contribui para o aumento do câncer de pele no Brasil e no mundo.

Além dos sinais e sintomas comuns dessa época do ano, como queimaduras e exaustão, o calor excessivo também aumenta complicações de doenças pré-existentes, como as cardiorespiratórias, as renais e as autoimunes. “No caso das doenças cardiovasculares, o calor intenso faz com que o coração bombeie mais rápido para manter a temperatura corporal, podendo desencadear ataques cardíacos e arritmias”, explica a médica clínica geral da Hapvida NotreDame Intermédica, Bárbara de Alencar.

A médica orienta quanto aos sinais e sintomas da desidratação e insolação. “No caso da desidratação é comum a boca ficar seca, a sede aumentar, o volume urinário diminuir, assim como ocorrer a alteração da cor da urina e ela ficar mais escura. Fraqueza, tontura, confusão mental, risco de desmaio, pele seca e fria, aumento da frequência cardíaca e parestesia, ou seja, câimbras nos membros superiores e inferiores também devem ser observados”, pontua. “Já na insolação a pessoa pode apresentar os mesmos sinais e sintomas da desidratação, porém evoluir com náuseas e vômitos e apresentar uma pele quente, com coloração avermelhada”, acrescenta.

Segundo Bárbara, é fundamental tomar alguns cuidados durante esse período, como: “evitar a exposição prolongada ao sol e escolher horários onde a incidência dos raios é menos intensa de acordo com a região. Utilizar acessórios como óculos escuros, chapéu, boné, roupas leves e soltas e apropriadas com o fator de proteção e fazer uso do guarda-sol. Beber água também é fundamental, pois a hidratação adequada ajuda na regulação da temperatura do nosso corpo, na saúde da pele e no bom funcionamento do nosso organismo, e dar preferência por alimentos leves, assim como evitar o consumo de bebida alcoólica e cafeína”.

“É importante lembrar do uso do filtro solar. Passar uns 15 a 30 minutos antes da exposição ao sol e em todas as regiões do corpo que ficarão expostas, sem esquecer das orelhas, das mãos e dos pés, e ficar aplicando o filtro a cada duas horas”, finaliza a médica.

Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright © 2021 Correio Paraense todos os direitos reservados.