Conecte-se conosco

SAÚDE

Miopia – Problema de visão é agravado pela pandemia

Foto: Reprodução / Fonte: Assessoria de Comunicação do Hapvida

Vista cansada ao final do dia, dor de cabeça, dificuldade para enxergar longe e até se esforçar um pouco para ver algo, pode ser sinal de problemas na visão. A necessidade de usar o eletrônico todos os dias e muitas vezes a todo momento, pode se tornar um vilão quando se trata da saúde dos olhos. Com a pandemia, o trabalho e o estudo passaram a ser remoto, logo o celular e o computador são usados com mais frequência do que antes, e quando se trata das crianças, além do estudo é também o lazer.

De acordo com o oftalmologista do Sistema Hapvida, Breno Barth, cerca de 20% de uma classe escolar pode ter miopia e não sabe. O professor que antes até poderia fazer o papel de intermediador em identificar algum problema de vista nos alunos, hoje está mais limitado por conta do ensino remoto, que aos poucos ganha a sala de aula novamente.

Um estudo publicado pelo Journal of the American Medical Association, mostra que a miopia aumentou três vezes entre crianças de 6 a 8 anos em 2020, em comparação ao mesmo período entre 2015 e 2019. A falta de sol faz com que a dopamina, substância adquirida através dele, não chegue até a retina, impedindo o crescimento do globo ocular de forma correta, o que pode influenciar na visão.

A necessidade de visitar um especialista na área deve ser anual, ou de acordo com a recomendação do oftalmologista que acompanha o paciente. “Em um simples exame de fundo de olho, a gente consegue identificar doenças que a pessoa nem sabe que tem, como hipertensão arterial sistêmica, como diabetes, problemas de colesterol. Em um simples exame oftalmológico a gente salva muitas vezes até a vida dessas pessoas”, afirma Breno Barth.

A miopia é a dificuldade de enxergar para longe, mas ela pode estar ligada também com outras doenças, por isso a visita em um oftalmologista deve ser prioridade, e, principalmente, se a pessoa tiver um agravante como glaucoma. De acordo com o oftalmologista, cerca de 5% da população acima de 40 anos tem glaucoma e não sabe e após os 50 esse valor aumenta para 8%.

Mesmo que a pessoa não use óculos, é importante estar atento aos sintomas que o corpo dá. Diagnosticar um problema menor, pode evitar um maior no futuro.

Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Propaganda
Propaganda
Propaganda
Propaganda

Copyright © 2021 Correio Paraense todos os direitos reservados.