Conecte-se conosco

ECONOMIA

Com a primeira queda da Selic em 2024, onde investir?

Estrategista de Investimentos do Santander mostra as principais indicações com nova taxa de juros;

Publicadas

sobre

Foto: Reprodução | Fonte: Santander

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central realizou nesta semana a sua primeira reunião do ano para decidir os juros no País. Pela quinta vez consecutiva, a taxa básica caiu meio ponto percentual. Ela vale agora 11,25% ao ano. Com este novo corte, o Estrategista de Investimentos do Santander, Arley Junior, aponta as principais indicações de investimentos.

Mesmo com o juro em queda, a renda fixa continua no topo das recomendações. Segundo Arley, os juros no Brasil ainda estão altos e esta é uma categoria que deve fazer parte da carteira de todos os perfis; “É o dinheiro que você usa como colchão de liquidez, ou seja, para ser utilizado quando houver um imprevisto, uma emergência. Também é utilizada para diluição de risco da carteira”.

Na lista do especialista, estão tanto as opções mais conservadoras como CDBs, títulos do Tesouro Direto e fundos de renda fixa. “LCIs, LCAs, CRIs, CRAS, debêntures incentivadas e os fundos de infraestrutura também são opções interessantes, visto que são produtos isentos de IR para pessoa física”.

Como as perspectivas para a bolsa brasileira são positivas para este ano, o estrategista indica o investimento em ações para todos os perfis, exceto para investidores conservadores. “É um bom momento para entrar na renda variável e, para quem tem um pouco mais de receio, as

carteiras recomendadas podem ajudar a direcionar um caminho, através de uma proposta equilibrada de risco, de acordo com o perfil”, afirma.

Para aqueles que realmente desejam diversificar, os fundos multimercados, os investimentos estruturados e os fundos de renda fixa global se mostram como alternativas interessantes e complementam a estratégia do portfólio.

Mesmo os índices de inflação mostrando desaceleração, Arley afirma que uma parcela da carteira deve ser investida em ativos atrelados ao Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). “São recomendados para proteger parte da carteira de investimentos e, neste momento, contam ainda com taxas interessantes para entrada”.

Para quem está pensando em aposentadoria ou ter uma renda futura, o especialista aponta os planos de previdência, que contam com opções de investimentos em todas as classes, ou seja, é possível construir uma carteira diversificada de fundos, além de contar com benefícios fiscais.

Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright © 2021 Correio Paraense todos os direitos reservados.