Conecte-se conosco

MUNICIPIOS

IBGE vai traçar o perfil detalhado das populações indígenas e quilombolas em Santarém e região

Publicadas

sobre

Foto: Reprodução | Fonte: O Estado Net

Pela primeira vez desde que foi iniciado em 1872, no período do Brasil Império, o Censo Demográfico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), realizado a cada 10 anos, vai traçar o perfil detalhado das populações indígenas e quilombolas do país. A coleta de dados começou na última segunda-feira (1) em todo o Brasil e vai visitar domicílios dos 5.568 municípios brasileiros. Especificamente, o Censo 2022 será o primeiro a investigar dados sobre as comunidades tradicionais quilombolas e indígenas. Aqui em Santarém, no oeste do Pará, o trabalho seguirá até outubro nas áreas já previamente mapeadas pelos técnicos do IBGE no município.

De acordo com Edilberto Figueira, chefe da agência do IBGE em Santarém, o censo vai visitar localidades quilombolas e indígenas nos seis municípios de abrangência do escritório local: Santarém, Aveiro, Belterra, Mojui dos Campos, Monte Alegre e Alenquer. Ao Portal OESTADONET, ele explicou que antes do início da coleta de dados, foram realizadas reuniões com representantes das comunidades tradicionais orientando sobre a importância da pesquisa e para esclarecimento de dúvidas das populações.  Os trabalhos de campo junto aos indígenas se iniciam a partir do dia 10 e aos quilombolas a partir dia 17 de agosto.

Os povos e comunidades tradicionais são grupos culturalmente diferenciados reconhecidos por lei. Edilberto Figueira não precisou o quantitativo de pessoas que serão recenseadas. Contudo, falou que muitas comunidades e áreas quilombolas e indígenas inclusive na área urbana. Em Santarém, por exemplo, estima-se que cerca de 900 famílias residem em 12 comunidades quilombolas do município e região, reconhecidas pelo Incra. 

Em relação às comunidades indígenas, são cerca de 2.500 famílias, de 13 povos distintos. São eles: os Tupinambá, os Tupaiú, os Arapium, os Tapajó, os Maró, os Kumaruara, os Borari, os Munduruku, os Munduruku da Cara Preta e os Maitapu, os Arara Vermelha, os Jaraqui e os Apiacá. Estes povos estão distribuídos entre a Resex-Tapajós Arapiuns (margem esquerda do Tapajós), no Planalto Santareno (margem direita do Tapajós) e na cidade de Santarém.

No questionário que será aplicado pelos recenseadores, será feita a pergunta “você se considera indígena?” ou “você se considera quilombola?”. 

A pergunta de identidade étnica para indígenas apareceu pela primeira vez em 1991. No último levantamento, em 2010, houve um aprimoramento da pesquisa sobre essa população, com inclusão de perguntas sobre pertencimento étnico e línguas indígenas faladas.  

Outra novidade do Censo 2022 é o questionário de abordagem em agrupamento indígena, que será apresentado nas reuniões com as lideranças comunitárias antes do início da coleta domiciliar. O questionário trará identificação de dados de infraestrutura, recursos naturais, educação, saúde e hábitos relativos àquela aldeia ou comunidade.

Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright © 2021 Correio Paraense todos os direitos reservados.