Conecte-se conosco

BRASIL

Ministério da Justiça bloqueia mais de 700 sites e apps ilegais de streaming

Publicadas

sobre

Foto: Reprodução | Fonte: Olhar Digital

Uma investigação do Ministério da Justiça e Segurança Pública em parceria com as polícias civis de 11 estados resultou no bloqueio de mais de 700 sites e aplicativos ilegais de streaming, além da prisão de 10 pessoas.  

A investigação faz parte da quarta edição da “Operação 404” que luta contra a pirataria digital. De acordo com o Ministério da Justiça, os investigados capturavam o sinal de canais de televisão fechada e cobravam para repassá-los para assinantes dos serviços ilegais.

Estima-se que o grupo tenha causado danos de R$ 366 milhões por ano. Foram bloqueados 266 sites e 461 aplicativos de streaming pirata, além de perfis e páginas falsas nas redes sociais.

Dos portais bloqueadas, seis eram dos Estados Unidos e 53 eram do Reino Unido. Ainda foi cumprido um mandado no metaverso, local onde os criminosos criavam mapas e eventos para atrair interessados em plataformas de vídeo.  

O coordenador do Laboratório de Operações Cibernéticas da Secretaria de Operações Integradas (Seopi), Alessandro Barreto, explicou que a operação tinha como foco os aplicativos de música.  

Cerca de 65% dos aplicativos bloqueados retinham informações pessoais dos usuários. Segundo Barreto, os dispositivos em que o download de música era feito recebiam um malware que capturava dados de transação bancária, entre outros. 

A operação contou com a parceria das embaixadas dos EUA e Reino Unido e, no Brasil, cumpriu mandado nos seguintes estados:  

  • Alagoas; 
  • Bahia; 
  • Espírito Santo; 
  • Goiás; 
  • Minas Gerais; 
  • Mato Grosso; 
  • Pará; 
  • Pernambuco; 
  • Rio de Janeiro; 
  • Rio Grande do Sul; 
  • São Paulo. 

Por Matheus Barros 

Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright © 2021 Correio Paraense todos os direitos reservados.