Conecte-se conosco

BELÉM

Maniçoba ficará mais salgada este ano, Dieese, aponta aumento nos valores dos ingredientes

Foto: Reprodução / Fonte: Portal Amazônia

Tradição na mesa dos paraenses, em especial no mês de outubro, a receita pesa no bolso por conta da alta do principal ingrediente, a maniva, que sofreu reajuste de 10% a 15% em comparação ao mesmo período do ano passado, como aponta o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos do Pará (Dieese PA).

Segundo pesquisa feita pelo Dieese, os maiores fornecedores da matéria-prima são os municípios de Santo Antônio do Tauá, Tracuateua, Acará, Mojú, Benevides, Santa Izabel, Castanhal e a região das ilhas. Além da maniva, outros produtos que fazem parte da receita, principalmente os oriundos do porco, também estão mais caros este ano e apontam reajustes que variam entre 10% a 15%. Essa alta pode ser percebida de diversas formas e depende de fatores como local de compra e estágio de preparação da maniçoba.

Preço final do produto

A maniva crua pode ser encontrada no Ver-o-Peso, principal ponto de vendas, em torno de R$4. Já a maniva pré-cozida é comercializada por R$ 5,00 a R$ 8,00 o kg, dependendo da feira. Nos supermercados, os valores aumentam ainda mais. O kg da maniva pré-cozida é comercializada com preços que oscilam entre R$3,29 e R$6,10. O valor final depende da marca do fornecedor do produto e do supermercado e pode alcançar uma diferença de mais de 30% entre quem vende mais caro e mais barato.

Nos restaurantes da Região Metropolitana de Belém já é possível encontrar um prato de maniçoba pronta por valores que giram em torno de R$16.

Curiosidades sobre a Maniçoba

Com raízes na culinária indígena e tradicionalmente consumida no estado do Pará, a maniçoba é um prato tipicamente brasileiro. Feita com folhas de macaxeira triturada (maniva), carne de porco, embutidos e defumados, ela é conhecida como a “feijoada sem feijão” dos paraenses. 

Mas, apesar de ser um prato acessível, a receita de maniçoba precisa de cuidados especiais na hora do preparo. Caso contrário, ela pode ser altamente tóxica para o nosso organismo. Para fazer a receita em casa, por exemplo, é preciso comprar a maniva já cozida por pelo menos 72 horas e cozinhá-la por mais 8 horas antes do preparo do prato.

A maniçoba, como tantos pratos típicos brasileiros, possui uma história interessante para os amantes da culinária. Em suma, o prato foi criado no intuito de substituir o feijão. Afinal de contas, na época, o feijão era um grão “nobre”, caríssimo e de acesso restrito.

Devido ao seu alto custo, o ingrediente era uma exclusividade para as mesas e refeições de fazendeiros ricos.

Em contrapartida a esse polo de poder aquisitivo e econômico, estavam os escravos e sua criatividade para as adaptações culinárias. Hoje, o que é chamado de feijoada paraense, foi uma criação de escravos.

A receita inventada por eles levava, tradicionalmente, sobras de carne. Isto é, pedaços de carne descartadas, tais como resto de carne de gado, pé de porco, focinho e orelha.

O prato era então incrementado com um ingrediente que visava substituir o grão de feijão. Em outras palavras, a maniva, a folha de mandioca super cozida e posteriormente moída.

Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Propaganda
Propaganda
Propaganda
Propaganda

Copyright © 2021 Correio Paraense todos os direitos reservados.