Conecte-se conosco

ANANINDEUA

Vacinação de pessoas com comorbidades de 49 anos continua em Ananindeua, no PA

Etapa de imunização é nesta segunda, 10. Grávidas, mães recentes e pessoas com síndrome de Down também são vacinadas.

Foto: Sílvio Garrido / Fonte: Correio Paraense

A vacinação contra Covid-19 continua em Ananindeua, região metropolitana de Belém, nesta segunda (10). Pessoas de 49 anos que tenham uma ou mais comorbidades recebem a 1ª dose. Grávidas e mães com 45 dias após o parto, com idade acima de 18 anos, também pode receber a vacina sem necessidade de comprovar comorbidade. Pessoas com síndrome de Down de 18 anos ou mais também podem se vacinar.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde (Sesau), a continuidade da campanha depende da disponibilidade de doses. Até dia 7 de maio, foram aplicadas 117.593 (1º e 2ª).

O que precisa levar?

Para receber a primeira dose do imunizante é necessário apresentar o RG, CPF e comprovante de residência de Ananindeua, além do documento com comprovação da comorbidade (exame laboratorial ou clínico, receita médica com até 3 mês de validade ou laudo médico com até 3 anos de validade).

No caso das grávidas é necessário apresentar exame de sangue beta hCG (BhCG). Já as puérperas devem apresentar documento que comprove a condição de parturiente. (Ex: Documento da maternidade relacionado ao parto).

Onde se vacinar?

A campanha de vacinação de Ananindeua está sendo realizada em nove igrejas distribuídas pelo município, na Unidade Básica de Saúde (UBS) do Jaderlândia e no posto drive-thru localizado na Unama BR 316. O horário de atendimento é das 08h às 13h. Confira os locais:https://tpc.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

  • Paróquia Cristo Rei – Guanabara
  • Igreja Universal – Águas Lindas
  • Paróquia Sagrado Coração de Jesus – Júlia Seffer.
  • Igreja Catedral da Fé – Distrito Industrial
  • Paróquia São Vicente de Paula – Paar
  • Paróquia Santo Inácio de Loyola – Icuí
  • Assembleia de Deus – Maguari
  • Igreja Quadrangular Labaredas de Fogo – Cidade Nova 2
  • Paróquia Santa Paula Frassinetti – Cidade Nova 6
  • UBS Jaderlândia
  • UNAMA BR 316 – Posto Drive-Thru

Confira a lista de comorbidades, definidas pelo Ministério da Saúde:

  1. Arritmias cardíacas (com importância clínica e/ou cardiopatia associada: fibrilação e flutter atriais; e outras).
  2. Câncer.
  3. Cardiopatia hipertensiva (hipertrofia ventricular esquerda ou dilatação, sobrecarga atrial e ventricular, disfunção diastólica e/ou sistólica, lesões em outros órgãos-alvo).
  4. Cardiopatias congênita no adulto (Cardiopatias congênitas com repercussão hemodinâmica; crises hipoxêmicas; insuficiência cardíaca; arritmias; comprometimento miocárdico).
  5. Cirrose hepática.
  6. Cor-pulmonale e Hipertensão pulmonar (Cor-pulmonale crônico, hipertensão pulmonar primária ou secundária)
  7. Diabetes mellitus.
  8. Doença cerebrovascular (Acidente vascular cerebral isquêmico ou hemorrágico; ataque isquêmico transitório; demência vascular).
  9. Doença renal crônica (Doença renal crônica estágio 3 ou mais (taxa de filtração glomerular < 60 ml/min/1,73 m2) e/ou síndrome nefrótica).
  10. Doenças da aorta, dos grandes vasos e fístulas arteriovenosas (Aneurismas, dissecções, hematomas da aorta e demais grandes vasos).
  11. Hemoglobinopatias graves (Doença falciforme e talassemia maior).
  12. Hipertensão arterial estágio 3 (PA sistólica ≥180mmHg e/ou diastólica ≥110mmHg independente da presença de lesão em órgão-alvo (LOA) ou comorbidade).
  13. Hipertensão arterial estágios 1 e 2 com lesão em órgão-alvo e/ou comorbidade (PA sistólica entre 140 e 179mmHg e/ou diastólica entre 90 e 109mmHg na presença de lesão em órgão-alvo e/ou comorbidade).
  14. Hipertensão Arterial Resistente (HAR). Quando a pressão arterial (PA) permanece acima das metas recomendadas com o uso de três ou mais anti-hipertensivos de diferentes classes, em doses máximas preconizadas e toleradas, administradas com frequência, dosagem apropriada e comprovada adesão ou PA controlada em uso de quatro ou mais fármacos antihipertensivos.
  15. Imunossuprimidos (indivíduos transplantados de órgão sólido ou de medula óssea; pessoas vivendo com HIV; doenças reumáticas imunomediadas sistêmicas em atividade e em uso de dose de prednisona ou equivalente > 10 mg/dia ou recebendo pulsoterapia com corticoide e/ou ciclofosfamida; demais indivíduos em uso de imunossupressores ou com imunodeficiências primárias).
  16. Insuficiência cardíaca.
  17. Miocardiopatias e pericardiopatias (miocardiopatias de quaisquer etiologias ou fenótipos; pericardite crônica; cardiopatia reumática).
  18. Obesidade mórbida (Índice de massa corpórea (IMC) ≥ 40).
  19. Pneumopatias crônicas graves (doença pulmonar obstrutiva crônica, fibroses pulmonares, pneumoconioses, displasia broncopulmonar e asma grave (uso recorrente de corticoides sistêmicos, internação prévia por crise asmática).
  20. Próteses valvares e dispositivos cardíacos implantados (portadores de próteses valvares biológicas ou mecânicas; e dispositivos cardíacos implantados (marca-passos, cardio desfibriladores, ressincronizadores, assistência circulatória de média e longa permanência).
  21. Síndromes coronarianas (síndromes coronarianas crônicas: angina pectoris estável, cardiopatia isquêmica, pós infarto agudo do miocárdio).
  22. Valvopatias (lesões valvares com repercussão hemodinâmica ou sintomática ou com comprometimento miocárdico, estenose ou insuficiência aórtica; estenose ou insuficiência mitral; estenose ou insuficiência pulmonar; estenose ou insuficiência tricúspide, e outras).

Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Propaganda
Propaganda
Propaganda
Propaganda

Copyright © 2021 Correio Paraense todos os direitos reservados.